image2

Você já passou por uma situação traumática na vida?

image

Quem não passou por uma situação traumática na vida? Se você responder que não, há um engano aí.

A maioria das pessoas acha que o trauma só acontece quando algo avassalador acontece, como, por exemplo, uma guerra, sequestro, massacre, etc. No entanto, incidentes comuns podem ser traumáticos, como, um acidente de carro ou moto, separação dos pais, término de um relacionamento, morte de uma pessoa querida, uma cirurgia, uma extração de dente, um alimento que estava comendo e engasgou, um grande susto, etc.

Traumas são acontecimentos que desafiam e travam a nossa capacidade de lutar e reagir. O corpo e a mente ficam limitados a sobrevivência, gerando certa incapacidade de resgatar o equilíbrio. Parece que as reações congelam e nada acontece.

Os traumas podem ocorrer por acontecimentos inesperados, súbitos e assustadores. Eles desencadeiam medo intenso, perda de controle e desamparo, uma desorganização do sistema nervoso.

Os efeitos do trauma recaem sobre o corpo e a mente. Para curar o trauma é importante compreender que o corpo conserva o registro do ocorrido. Os efeitos negativos dependem de como o corpo de alguém em particular reage a um acontecimento estressante. Cada um reage de uma forma.

O trauma altera a química do cérebro desencadeando mudanças hormonais e aumentando a produção de adrenalina, cortisol e/ou opioides. Ele afeta o sistema nervoso, assim fatos ameaçadores antecipam as reações defensivas de lutar, fugir ou congelar, mantendo o nível de ansiedade bem elevado.

O corpo e a mente estão preparados para lidar com pequenos traumas vividos no decorrer da vida e resolvê-los. Entretanto, traumas mais severos permanecem presos ao sistema, causando limitações e estragos emocionais e físicos, que pode desencadear um transtorno de estresse pós-traumático (TEPT).

O transtorno de estresse pós-traumático é o desequilíbrio físico, psíquico e emocional, que segue após o trauma, gerando uma ansiedade elevada contínua, que deixa a pessoa em estado de alerta a maior parte do tempo. Nesses casos há a necessidade de acompanhamento psicológico e, se necessário, médico também.

Libertar-se da algema do trauma é possível e há vários profissionais competentes que só trabalham com isso. Para curar o trauma é preciso vê-lo como um simples processo incompleto e não como um dano permanente. Pensar assim já propicia uma esperança. O psicólogo pode ajudar na superação desses memórias perturbadoras. O indivíduo se apossa da sua vida com mais recursos e sai fortalecido pelas grandes lições deixadas pela experiência vivida.

#PENSENISSO!

Comentários

There is no ads to display, Please add some

Publicado por

facebook-profile-picture

Káthia Regina

Káthia Regina é pós graduada em Psicoterapia Breve, Cognitiva Comportamental e Psicossomática. Mestre em Psicologia da Saúde, Doutora em Neurociência e Especialista em EMDR (Traumas). Possui trabalhos desenvolvidos em ambulatório FMUSP e FMABC. Adora a profissão, dá ênfase ao bem-estar, satisfação e qualidade de vida. Seu objetivo é complementar e ampliar o potencial humano em sua concepção de ser, mente e corpo. Email: kathia4fitclub@gmail.com Instagram: @kathia4fitclub

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>