cirurgia_bariatrica

Moda: Cirurgia Bariátrica

Sei que a maior parte de meus leitores aqui buscam informações sobre dieta e treinos, pois já estão envolvidos no mundo da musculação. Mas se pararmos para pensar, quantas pessoas obesas conhecemos? Quantas já nos contaram que realizaram alguns métodos perigosos para redução de peso, como remédios, dietas drásticas, procedimentos cirúrgicos, entre outros?

Não é à toa que o Ministério da Saúde reduziu para 16 anos a idade mínima para realização de cirurgias bariátricas, considerando o fato que a obesidade tem atingindo cada vez mais os jovens. E a cada dia que passa vemos ainda mais nas mídias sociais pessoas  aclamando pelo método cirúrgico para redução deste quadro.

Mas você conhece este método, tão invasivo, que é a Cirurgia Bariátrica?

Para realizar a cirurgia um paciente deve apresentar, como pré-requisitos: grau de obesidade, tentativas de tratamento anteriores e doenças associadas.
Existem tipos de cirurgia:
Banda Gástrica Ajustável: é considerada a mais simples e leva a uma menor redução de peso: de 20 a 30% do peso inicial;
Gastrectomia Vertical: inclui cortes, sutura e uso de grampos. Redução de 30 a 40% do peso inicial;
-Bypass Gástrico: reduz o estômago e realiza um desvio no intestino. Redução de 40 a 45% do peso inicial;
Derivação Bileopancreática: é a mais complexa, reduz mais peso e realiza um desvio maior no intestino. Redução de 40 a 50% do peso inicial.


A redução de peso ocorre pelo fato que após a cirurgia a restrição alimentar é grande, o corpo passa a absorver menos nutrientes e há um aumento no metabolismo. Porém, aqui está o grande problema!
Há inúmeros fatores que levam um paciente a chegar ao quadro de obesidade, sendo que o alto consumo alimentar está entre os principais. Ao reduzirmos apenas as quantidades ingeridas e não reeducarmos o paciente, alguns problemas nutricionais podem surgir após a cirurgia.

Entre os problemas podemos citar: anemias e desnutrição proteica, pois mesmo consumindo pequenas quantidades de cada alimento, se a mentalidade não tiver sido alterada, as escolhas ainda serão incorretas. Um exemplo seria o consumo de alimentos como leite condensado, mesmo em menor quantidade, do que um copo de leite desnatado ou um iogurte desnatado. Isso faz com que a perda de peso seja menor ou volte a aumentar.

Outro ponto é que, se não investirmos na atividade física, a redução de peso será total, ou seja, músculo e gordura, causando maior flacidez.

Então, antes de qualquer procedimento invasivo nada melhor do que tentar um tratamento nutricional e atividade física. O tratamento pode ser longo? Com certeza! Pode ser mais sofrido? Sim, afinal mexemos com nosso maior prazer, que é alimentação. Mas garanto uma coisa: no final será o mais prazeroso e duradouro!

Se você conhece alguém que está fazendo o uso de medicamentos, ou dietas da moda ou está na fila para cirurgia (pois é, temos até fila), converse com este paciente! Tente convencê-lo de que o caminho mais longo às vezes é o melhor!
E sempre procure um nutricionista!

Comentários

There is no ads to display, Please add some

Publicado por

facebook-profile-picture

Nathália Espin

Nathália Espin, 23 anos, formada em Nutrição e pós-graduada em Bases Nutricionais do Esporte – Nutrição Esportiva. Atua na área de Nutrição Clínica com esportistas e atletas de diversas modalidades, além de crianças, obesos, gestantes, idosos, ou seja, todos aqueles que buscam melhora na qualidade de vida. Apaixonada pelas incríveis transformações que uma boa alimentação é capaz de fazer na saúde, mente e corpo. Email: nutri.espin@gmail.com Instagram: @nutriespin

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>